MOZAMBICAN GRADUATE CONTRIBUTES TO THE CONSERVATION AND RESEARCH OF OCEAN GIANTS

Jorge Sitoe from Maputo completes MMF’s first ever research Fellowship

 

Tofo (Mozambique), 11 May 2018: The Marine Megafauna Foundation (MMF) has announced the successful completion of its first Mozambican Fellowship as Fellow Jorge Sitoe, 30, from Maputo, has completed his one-year program.

 

Over the past year, MMF has developed and implemented its first ever structured post-graduate Fellowship and international exchange program for talented Mozambican graduates. As part of the project, Jorge Sitoe – the chosen Fellow – received training, one-to-one guidance and mentoring from renowned scientific advisers based at MMF’s Research Headquarters in Tofo, Mozambique, as well as leading international universities. He had the opportunity to work alongside MMF scientists, as well as international interns and volunteers, to deliver priority research projects which will inform conservation strategies and influence future protection policies.

 

Jorge first arrived in Tofo in January 2017 and went on to experience kayaking, learned to swim and qualified as a PADI Open Water scuba diver. He has worked closely with the team on a scientific monitoring program to assess fishery stocks and the health of the reef ecosystem as well as evaluating the impacts of temporary reef closures. He has also learned how to use baited remote underwater stereo-video stations (BRUVS) as a way of collecting data. He made many presentations in both English and Portuguese and, as a result, has significantly improved his English-speaking skills. During his time with MMF, Jorge was also able to meet the internationally renowned “Queen of Mantas” Dr. Andrea Marshall in person, which was very exciting for him.

 

Jorge has also been able to build important connections and networks with policy makers. In June 2017, he attended the UNESCO conference on marine innovation for World Oceans Day in Maputo, where he also had the chance to share his experience and advocate for further engagement marine protection in Mozambican waters.

 

When talking about his Fellowship, Jorge said: “During my time with MMF, I started to attend community meetings with stakeholders and community leaders, which was very interesting. I also attended meetings with government departments and presented at conferences and workshops. The first was a national conference in Maputo and the team at MMF helped me a lot with my developing my presentation and how to present in meetings. I learnt a lot and received very positive feedback from my colleagues and the people inside the room. For some people, it was their first time hearing about manta rays and whale sharks so they were very interested to know about what’s happened with these species.”

 

“In December, I also presented at the first workshop in Mozambique talking about sharks and rays where we elaborated on a report about sharks and rays in the country. This is a really important topic because the government has a list of sharks found in Mozambique but there is no list documenting all rays in Mozambique and this is something we need to create. In April, I also attended an international workshop in South Africa where I learned about new methodologies for approaching interactions between communities and government.”

 

Jorge continued: “The most interesting thing that’s happened as part of this Fellowship has been to get to know people and engage with people here at MMF. We have a social domain which is very important because we have good conversations, work together and respect each other. I’m very happy to be part of this family. I believe that maybe in the future I will be back to work on a different project with MMF because I’m very interested in future collaborations.”

 

MMF believes that working with Mozambican graduate students, national institutions and communities is a vital way to ensure its projects can expand and continue sustainably in the future. The charity is keen to find the funds to continue its Fellowship in future so that more Mozambican students can benefit by learning these scientific skills.

 

Jorge concluded: ““The coastline of Mozambique is very big and there are lots of things that need to be done regarding sharks and fisheries because we don’t have many studies on this virgin environment. Right now, there are only foreign people studying manta rays and whale sharks so we need more Mozambicans doing the same thing.”

 

Mariana Coelho, MMF’s Mozambique Country Director, said: “We have really enjoyed working with Jorge over the past year and believe helping talented young Mozambican students in their career progression is a really important part of our work. We hope that we will be able to secure more funding to continue this Fellowship in future so that we can welcome many other Mozambican students to work with us in Tofo.”

 

For more information about MMF, please visit: www.marinemegafauna.org.

 

– Ends –

 

For more information, images or an interview with Jorge Sitoe or a MMF spokesperson, please contact:

Melissa Hobson

mel.hobson@marinemegafauna.org / media@marinemegafauna.org

+44 77 6371 7350 (WhatsApp)

 

About Marine Megafauna Foundation:

MMF’s vision is a world in which marine life and humans thrive together and we aspire to attain it by saving threatened marine life. Our target group is marine megafauna, which is vital to the delicate balance of the marine ecosystem. When we protect ocean giants, we also achieve an umbrella protection for a wide variety of marine species. Consequently, we target coastal communities that represent the biggest threat to these species and, as a result, to their own food security. Through our 4 pillars, we provide an integrated solution: by using our research findings to educate and inspire the masses, we gather the necessary tools to provide sustainable marine conservation strategies for communities and policy makers to bring about lasting positive change. Finally, by empowering, informing and giving a voice to local communities, we help to create a generation of Ocean Ambassadors and Guardians, who cherish and understand the marine ecosystem.

 

For further details, please see www.marinemegafauna.org or follow us on Twitter, Facebook and Instagram. For information about our local projects, you can also follow our Western Indian Ocean Facebook page.

Portuguese version:

 

Press Release

11 Maio, 2018

 

ESTUDANTE UNIVERSITÁRIO CONTRIBUI PARA PESQUISA E CONSERVAÇÃO DE GIGANTES MARINHOS

Jorge Sitoe de Maputo completa a primeira bolsa de pesquisa a MMF

 

Tofo (Moçambique), 11 de Maio de 2018: A Marine Megafauna Foundation (MMF) anunciou a conclusão bem sucedida da sua primeira bolsa de estudos moçambicana, na qual o bolsista Jorge Sitoe, de 30 anos, natural de Maputo, completou o programa de um ano.

 

No ano passado, a MMF desenvolveu e implementou o seu primeiro programa de bolsas de pós-graduação e intercâmbio internacional para talentosos licenciados moçambicanos. Neste programa, o Jorge recebeu treinamento, orientação individual e supervisão por consultores científicos tanto baseados na sede de pesquisa da MMF em Tofo, Moçambique, mas também de universidades internacionais. Teve ainda a oportunidade de trabalhar com cientistas da MMF, bem como estagiários e voluntários internacionais, em projectos de pesquisa prioritários que informarão as estratégias de conservação e influenciarão as futuras políticas de proteção do ambiente e vida marinha.

 

O Jorge chegou ao Tofo em Janeiro de 2017 onde experimentou pela a primeira  caiaque, aprendeu a nadar e qualificou-se como mergulhador SCUBA PADI Open Water. Trabalhou em colaboração com a equipe num programa de monitorização científica que tem como objectivo a avaliação dos possíveis impactos da pesca no ecossistema do recife, bem como avaliar os impactos de vedas temporárias de recifes. Ele aprendeu a usar estações de vídeo subaquáticas remotas (BRUVS) como forma de colectar dados. Ele também fez muitas apresentações em inglês e em português e, como resultado, melhorou significativamente as suas habilidades de comunicação. Durante seu tempo com a MMF, o Jorge conheceu pessoalmente a renomada “Rainha da Mantas”, a Dra. Andrea Marshall, o que foi muito emocionante para ele.

 

Ao falar sobre sua bolsa, Jorge disse: “Durante meu tempo com a MMF, comecei a participar em reuniões com o público, partes interessadas e com os líderes de comunidades, o que foi muito interessante. Também participei em reuniões com departamentos do governo e apresentei em conferências e workshops. A primeira foi uma conferência nacional em Maputo e a equipa da MMF ajudou-me muito com o meu desenvolvimento da minha apresentação e como me devo comportar em reuniões. Eu aprendi muito e recebi um feedback muito positivo dos meus colegas e das pessoas dentro da sala. Para algumas pessoas, foi a primeira vez que ouviram falar de raias e tubarões-baleia, por isso ficaram muito interessados em saber o que acontece com estas espécies.”

 

O Jorge desenvolveu contactos  bastante relevantes e também foi apresentado a legisladores e indivíduos com poder decisivo. Em Junho de 2017, participou na conferência da UNESCO sobre Invovações Marinhas para o Dia Mundial dos Oceanos em Maputo, onde teve também a oportunidade de partilhar a sua experiência e inspirar para uma maior participação e acção na protecção das àguas marinhas moçambicanas.

 

“Em dezembro, também apresentei no primeiro workshop em Moçambique falando sobre tubarões e raias, onde elaboramos um relatório sobre o plano de proteção de tubarões e raias no país. Este é um tópico realmente importante porque o governo tem uma lista de tubarões encontrados em Moçambique, mas não existe uma lista documentando todos as raias em Moçambique e isto é algo que precisamos criar. Em Abril, também participei de um workshop internacional na África do Sul, onde aprendi sobre novas metodologias para abordar interações entre comunidades e governo. ”

 

Jorge continuou: “A coisa mais interessante que aconteceu foi conhecer e interagir com pessoas aqui na MMF. Temos um domínio social que é muito importante porque temos boas conversas, trabalhamos juntos e respeitamos uns ao outros. Estou muito feliz por fazer parte desta família. Acredito que, talvez no futuro, voltarei a trabalhar com o MMF, pois estou muito interessado em futuras colaborações. ”

 

A MMF acredita que trabalhar com estudantes de pós-graduação, instituições nacionais e comunidades moçambicanas é a forma vital de garantir que seus projetos possam se expandir e continuar de forma sustentável no futuro. A instituição de caridade está interessada em encontrar fundos para continuar a sua bolsa de pesquisa no futuro, para que mais estudantes Moçambicanos possam beneficiar aprendendo habilidades científicas.

 

Jorge concluiu: “O litoral de Moçambique é muito grande e há muitas coisas que precisam ser feitas em relação aos tubarões e às pescas, porque não temos muitos estudos sobre esse ambiente virgem. Neste momento, há apenas estrangeiros estudando raias e tubarões-baleia, então precisamos de mais pessoas Moçambicanas a fazer esses estudos”.

 

Mariana Coelho, Directora Nacional do MMF em Moçambique, disse: “Gostamos muito de trabalhar com o Jorge ao longo do ano passado e acreditamos que ajudar jovens talentosos Moçambicanos na sua progressão de carreira é uma parte muito importante do nosso trabalho. Esperamos que possamos conseguir mais fundos para continuar esta bolsa de pesquisa no futuro, para que possamos receber muitos outros estudantes Moçambicanos para trabalhar conosco em Tofo. ”

 

Para mais informações sobre o MMF, por favor visite: www.marinemegafauna.org.

 

– Termina –

 

Para mais informações, imagens ou uma entrevista com Jorge Sitoe ou um porta-voz do MMF, entre em contato:

Melissa Hobson

mel.hobson@marinemegafauna.org / media@marinemegafauna.org

+44 77 6371 7350 (WhatsApp)

 

Sobre a Fundação Marine Megafauna:

A visão do MMF é um mundo em que a vida marinha e os humanos prosperam juntos, e aspiramos a alcançá-la salvando a vida marinha ameaçada. Nosso grupo alvo é a megafauna marinha, que é vital para o delicado equilíbrio do ecossistema marinho. Quando protegemos os gigantes do oceano, também obtemos uma proteção que inclui uma ampla variedade de espécies marinhas. Consequentemente, visamos comunidades costeiras que representam a maior ameaça a essas espécies e, consequentemente, à sua própria segurança alimentar. Através de nossos 4 pilares, oferecemos uma solução integrada: usando nossas descobertas de pesquisa para educar e inspirar, reunimos as ferramentas necessárias para fornecer estratégias sustentáveis de conservação marinha para comunidades e agentes de política para promover mudanças positivas duradouras. Finalmente, capacitando, informando e dando voz às comunidades locais, ajudamos a criar uma geração de Embaixadores e Guardiões do Oceano, que prezam e entendem o ecossistema marinho.